Zé de Rocha

Cruz das Almas, 1979
︎
Zé de Rocha (Cruz das Almas, 1979) é artista visual. Sua pesquisa parte da polissemia da palavra risco para criar trabalhos gráficos, principalmente desenhos à carvão e grafite, que exploram situações de perigo e violência. Não se trata de ilustrar agressividade, mas de encontrar uma tensão que esteja conformada na imagem, estabelecendo relações simbólicas ou associações de causa e efeito que fazem referência a ideias de risco. Premiado em diversos salões regionais no Brasil, incluindo a IX Bienal do Recôncavo, seu currículo conta ainda com participações em importantes mostras nacionais como a III Bienal da Bahia, o 64º Salão de Abril e Arte Pará 2016, além de projetos internacionais em galerias e feiras de arte na Itália, Estados Unidos, Portugal e França.

Zé de Rocha (Cruz das Almas, 1979) is a visual artist. His research starts from the polysemy of the word “risco” in portuguese – used to designate a simple drawing on a surface or the possibility of being in danger – to create graphic works, specially on charcoal or graphite, that explore dangerous or violent situations. It’s not about illustrating aggressiveness, but finding a tension that is conformed in the image, establishing symbolic relations or cause/effect associations that refers to ideas of risk. Awarded in many regional art salons, including IX Bienal do Recôncavo, Zé de Rocha has also been part of important national exhibitions like III Bienal da Bahia, 64th Salão de Abril and Arte Pará 2016, besides international projects in galleries and art fairs in Italy, the United States, Portugal and France.


Ensaio para bala perdida
serigrafia sobre tecido, impressão única
120x180cm (tríptico) | 2008
Obra ganhadora do grande prêmio da IX Bienal do Recôncavo


Prometeu e São João Brincando de Inquisição
em Paisagem Cruzalmense
lona queimada e fuligem
160x210cm (díptico) | 2011

Obra ganhadora do prêmio principal
do Salão de Artes Visuais de Jequié, 2012

Sangue Ígneo I
lona queimada e fuligem
210x160cm | 2011


Crítica

Desde que Zé de Rocha, jovem artista brasileiro nascido no estado da Bahia, recebeu o grande prêmio da IX Bienal do Recôncavo de 2008, desenvolveu-se em seu trabalho um tema que ele já havia capturado iconograficamente: trata-se daquela forma de violência que muitas vezes acompanha o cotidiano das grandes cidades. Naturalmente, não é apenas o tema escolhido que rende interesse ao seu trabalho, mas especialmente sua articulação interna que o torna único e praticamente exclusivo.
O processo de narração visual reúne em seu fazer muitas técnicas e línguas, isto significa antes de tudo que Zé de Rocha está situado na área da arte contemporânea recente que ativa a construção da imagem através de sua desconstrução narrativa. Na minha opinião, a sua prática assume a forma de uma história ou uma crônica do visto que separa a imagem do ruído dos gritos que parecem surgir na superfície.
A protagonista dessas crônicas é o próprio artista que, todavia, escapa da auto referência e sobretudo da armadilha fácil do autorretrato. O ego se divide e se triplica, se esconde e se mostra até a incapacidade de reconhecer-se. É o eu e o outro que, ao mesmo tempo, se autoproclamam protagonistas e comparsas dessas crônicas. Rimbaud recorre com frequência à memória e à elegância violenta e vívida dessas crônicas imaginárias do extremo.
O processo de organização da sua obra passa por várias linguagens para, finalmente, finalizar-se com a serigrafia, uma técnica de reprodução pouco em voga entre os jovens artistas, mas que conheceu no passado um grande resultado, sobretudo com a prática pop de Andy Warhol. Para Zé Rocha, tudo parte da fotografia. Em seguida entra em jogo o computador com seus programas de manipulação tecnológica das imagens e finda na reprodução serigráfica sobre tela negra, onde a retícula branca traça com elegância visual a violenta história do seu corpo.
É interessante refletir sobre um aspecto pouco empregado na atual produção artística, aquele da impossibilidade de representar ou representar-se através de imagens, que seduz sempre, como nos ensinou René Magritte. Zé de Rocha sabe muito bem disso e desconstrói a imagem de seu eu em outros porque ninguém é realmente o eu e todos são falsamente os outros.
Mas a violência de suas imagens é também o resultado de sua própria condição. Nós não assistimos a esta, mas ao seu resultado de figura solitária num espaço pictórico e psicológico que leva à refletir sobre a condição humana de nossa época, assim como fez Francis Bacon.
De todo esse processo, ativado e desativado ao mesmo tempo, é uma evidência visual o recente trabalho de Zé de Rocha.

Antonio D’Avossa, curador da IX Bienal do Recôncavo.



Triz #5
cravão sobre papel 
100x70cm | 2018


Triz #4
cravão sobre papel
100x70cm | 2018


Triz #1
cravão sobre papel
100x70cm | 2018


Limalha
cravão sobre papel
150x100cm | 2018



Contato contact

︎Av. Cardeal da Silva 158, Rio Vermelho
Salvador/BA, Brasil | 41950-495

︎ contato@rvculturaearte.com

︎ +55 71 33474929


Horários hours

Segunda a sexta: 10h às 18h
Sábado: 10h às 14h
FECHADA aos domingos e feriados

Monday through friday: 10h to 18h
Saturday: 10h to 14h
CLOSED on sundays and holidays


Newsletter




Follow: ︎  ︎  ︎